Dançando e discutindo com minha solidão.

Dia desses uma amiga minha comentou que se sentiu só num fim de semana desses. Pra ela e pra mim, era difícil entender como alguém poderia se sentir só quando se tem pessoas ao redor.
Há tempos eu não pensava em solidão. Não por não senti-la exatamente, mas por não sentir absolutamente nada. Hoje, com os sentidos um pouco melhor aparados, sinto-me completamente só. De olhar pro teto do quarto e me sentir tão grande e tão pequena ao mesmo tempo.
Estou muito melhor que há duas semanas atrás, mas tão pior quanto poderia estar considerando absolutamente tudo à minha volta. Tive a audácia de dizer que não consigo as coisas por falta de vontade de viver. E sabe o pior? Não foi da boca pra fora, não foi por autopiedade e eu continuo me sentindo assim. Não faço idéia de como a gente sai do fundo do poço sem ao menos uma corda pra nos ajudar chegar à superfície. As cordas que me dão são mais frágeis que patas de formiga e não aguentam meu peso.
Acho que esta época não ajuda muito. O inverno tá chegando, dá vontade de chamego; aí vem aquele bombardeio de dia dos namorados e – ok, é comercial, é pra vender e whatever – sinto-me como um peixe fora d’água por representar, sempre, a parcela dos desacompanhados. E o que tem piorado tudo isso é perceber que o tempo tá passando. Óbvio que o tempo passa, não sou idiota de achar que estou parada nas horas – por mais que eu gostasse. Mas tudo pesa muito mais quando você contabiliza 5 casamentos em 6 meses e, pelo menos 7 casamentos em 12 meses. Parabéns pros noivos, do fundo da alma, mas em mim bate uma sensação de outkast que particularmente não gosto. A maioria cresceu comigo e tem a minha idade. É estranho pra mim, pronto e acabou e nada desse lance de que cada um tem seu tempo porque na minha vida, NADA aconteceu, então estou fora de tempo.
E não to falando de casar em 6 meses – o que até pode acontecer – mas de não ter nem com quem compartilhar isso. Pra quê pensar em casamento se nem pretendente eu tenho?
Ao mesmo tempo, acho que me puno pensando nessas coisas sabendo que nas condições emocionais que me encontro não há de aparecer ninguém disposto a me tolerar. Então eu entro num mega conflito.
Aliás, eu VIVO de conflitos e em conflitos. Pessoas por aí tem uma vida tão mais tranqüilas; ah, que sejam problemas externos. o problema é lidar com problemas internos que só você e no máximo sua terapeuta sabem. Os amigos sabem superficialmente, porque por dó, respeito o ouvido dos outros e não despejo tudo que gostaria de falar.
E como eu sou idiota, estou sem terapia. Ajuda nada, né? E pra piorar acho que tenho outros sintomas de coisas nada boas. Eu só tenho certeza de não ser esquizofrênica.
A solidão que sinto hoje e que me faz despejar tanta amargura pra qualquer um ler é o cúmulo do absurdo a partir do momento que eu sei que muitos dos meus amigos não estão em contato comigo porque eu sumi. Com meus motivos, mas não os culpo por não quererem aturar gentalha como eu. E fico feliz com os que por perto ficam, os corajosos ou doadores do amor que neles transbordam. Nem eu sei se ficaria por perto de mim.
Tirando isso, meus problemas me absorvem tanto que resolvo não me preocupar com outras coisas além de mim mesma. Melhor, não me preocupo com coisas que deveriam me atingir diretamente. Graças a Deus, ainda me compadeço com os problemas das pessoas que gosto e isso talvez seja o que me mantenha na sanidade, por me fazer esquecer por algum tempo, mínimo que seja, dos meus.
Se fosse preocupar-me com o que deveria me preocupar, talvez estaria a reclamar muito das pessoas. São falhas, assim como eu, mas têm umas manias, umas cobranças que simplesmente não fazem sentido. mas sinceramente, ainda não consigo me abalar com isso. Estou recuperando meu ‘eu’ ainda. Falta muito até lá.
Também não sei porque escrevo coisas aqui. Além de absurdamente pessoais, são chatas, ninguém lê e quem o faz, fica sabendo de coisas que não conto ao meu porteiro, que me conhece desde bebê, por que contaria a desconhecidos ou conhecidos não identificados?
Acho que é a tal da solidão. A minha companhia, quando não a cama, é meu computador. Queria mesmo era conversar com ele, mas seres inanimados só fazem ocupar espaço e serem usados.
Respirando…
Respirando…
Respirando…
.
.
.
Já deu. De tudo, sabe? Deste post também. Sinceramente sinto pena de quem ainda chega às ultimas linhas.
Dançarei, com eu e minha solidão, sem minha super desejada garrafa de vinho, pra afastar os maus pensamentos…


—————-
Now playing: Elliott Yamin – How Do I Know
via FoxyTunes

Santa filosofia dos embalos de um sábado de setembro…

Tipos que hoje é sábado.
“Dã. E daí?”
Pois é. E daí que nada. Assim tem sido meus sábados.
Hoje conseguir enrolar na cama até 12:00. Sim, eu disse enrolar.. Tava com calor… E nem me pergunte de onde veio, porque eu sei que o tempo não tava pra isso…

Então tá. Vamos lá. Café da manhã. Pão francês com pasta de atum.
Dez minutos depois de terminar, digo: 10 minutos depois, me chamam pra almoçar… Só podia ser brincadeira, né? Oi?!? Acabei de comer pão?!?! E nem tirei o miolo?!?!

Tentei ver o filme que tinha tentado ver durante a semana mas dormi antes de terminar. Deu a mesma coisa. Dormi. Mas confesso, durante minha adolescência foi um filme que via vááááárias vezes. “O Chacal”. Tá, isso pode dizer alguma coisa sobre minha personalidade, sei lá. Vi umas 5 vezes, lembrando com esta memória ruim que eu tenho…

Aí resolvi levantar. Computador. Ninguém. Orkut: parado. Twitter: parado. Msn: parado. Cacete. Nem e-mail eu tenho (minto, eu recebi as notícias do STF e STJ but who cares?!?! leio depois, não num sábado)…
Depois de muito pensar, resolvi: vou ao California Coffee. All by myself como dia a música lá de Bridget Jones, mas que eu já conhecia na voz de Celine Dion. Serinho…. umas 2 horas pra tomar coragem.. Mas eu tinha que pegar meu livro também.. porque que peço as coisas pela internet e que sejam entregues na loja (pra não pagar frente, não sou boba e estou desempregada), ninguém nunca liga pra avisar que chegou…

Mas po, fala sério, só depois da novela das 6. Sério, to vendo novela. Pasmem. Eu também estou pasmada (eta palavra feia da p#$%¨)…

Tomei banho, recebi um convite pra uma festa que “vai ser super legal” em Copacabana. Neguei e mantive a promessa feita à minha sombra: café no California Coffee…
Saí e minha mãe pergunta: sozinha? Com MUITA DOR NO CORAÇÃO respondo que sim. E nem era mentira, antes fosse…
Encurtando meus embalos, porque vou ver um filme daqui a pouco e ainda quero jogar…..
Encontrei uma amiga linda, que está noiva… todos os meus amigos estão se comprometendo, Jesus…
E resolvi tomar uma taça de vinho. E descobri que não tinha dinheiro na carteira! Yay! E nem cartão! Yay! Se bem que este é bom não estar… depois do estrago que fiz…

Bom, fui pra uma deli do lado do Outback, (coisa tentadora, não?) e tomei uma taça de vinho enquanto lia meu livro sobre a legitimidade dos atos administrativos.. Cara… parece chato mas não é. E foi tão bom, ser lonely naquele momento.. mesmo eu tendo chegado no shopping cheio de amor frustrado por conta dos milhões de casais de namorados e eu lá, só, querendo uma taça de vinho e a única companhia que pude arranjar foi um livro…

Mas então.. foi isso. Nada de bom pra contar. Só pra dizer que tomei uma taça de vinho sozinha lendo um livro de Direito pra uma prova que provavelmente não irei passar (não é pessimismo e sim realismo, visto que ainda faltam tipo umas 600 páginas pra ler em um mês, mais ou menos.. e não, eu não leio rápido porque demoro a começar… é sinistro…).

Cheguei. Vou ver Cidade dos Sonhos. Vou tentar pela milionésima vez, porque sempre estou com sono. Mas vou beber uma taça de vinho ruim daqui de casa com umas pastinhas.. Essas são de graça! 🙂
E continuo sozinha. Quem quiser me arranjar uma namorado to aceitando, valeu? Mas por favor, leia “algumas instruções” antes de me apresentar alguém.
Liguei pra um “quase alguma coisa, não sei bem o quê” e ele não atendeu. Tranqüilo. Também não ligo mais. And I mean it!!! To igual à musica da Ana Carolina “Hoje eu tô sozinha, não sei se me levo ou se me acompanho…” Terrível.

Caracas, esse post tá ridículo, derrotado. Hoje é sábado e eu digitando um post meio que reclamando da vida; de estar sozinha; da falta de dinheiro e porque não, do edital de mestrado em filosofia que saiu. Aff!!!! Faço ou não faço? Nem tem muito o que ler, só 2 tópicos. Mas aí vou ter que fazer um projeto de pesquisa e discorrer sobre um entre os 2 temas.. É viajar um pouquinho…
Tá, não vou fazer.
Tá, parei de falar em futuro porque to meio que perdidaça!
Valeu, fui!

update: não estou vendo Cidade dos Sonhos. Não tomei vinho ruim e nem comi pastinhas com torrada. Meu MSN não tá bombando mas agora tá maneiro!!!!